INÍCIO

domingo, 1 de dezembro de 2013

PAPO DE GATEIRA: FIV - Aids Felina

Hoje, dia 1º de dezembro, é o Dia Mundial da Luta Contra a Aids, então vamos saber mais sobre a FIV, a Aids Felina? Vem ver o post!

Descoberta na década de 80, a Aids Felina é causada pelo vírus FIV (vírus da imunodeficiência felina), que ataca o sistema imunológico do animal, deixando-o vulnerável às doenças de natureza "oportunista", como periodontites, dermatites, estomatites, etc.

Apesar de descoberta há certo tempo, essa doença ainda é pouco conhecida entre os donos de animais de estimação, porém, mesmo sendo pouco comentada, o risco de o seu animal ser positivo existe, mesmo que os dados brasileiros indiquem uma baixa prevalência. O fato de não apresentar sinais visíveis até chegar ao segundo ou terceiro estágio, torna difícil o tratamento, aumentando ainda mais a importância de conhecer as formas de contágio e de prevenção.

Causas da FIV - Aids Felina:
A transmissão ocorre principalmente por meio de saliva e sangue do felino portador do FIV.

A Aids Felina não apresenta predisposição à alguma raça, porém os felinos machos possuem um maior risco de infecção, devido a estarem mais envolvidos em brigas por acasalamento ou território, expondo-se, assim, a saliva e sangue de outro felino que pode possuir o FIV.

Tratando-se de gatos, o perigo é muito maior para aqueles que vivem nas ruas do que entre os domiciliados, não somente pelo fato de terem maior contato com outros felinos, como também pelas constantes brigas, submetendo-os aos riscos da doença.

Além de brigas, mordidas e arranhões, existem outras formas de contrair o vírus, como a transfusão sanguínea e transmissão de mãe para o filho por meio da placenta ou do leite, durante a amamentação. Também há a possibilidade de infecção por meio de vasilhas com ração ou água, compartilhadas pelo animal infectado.

Sinais clínicos da FIV - Aids Felina:
Os sinais clínicos variam de acordo com a fase da doença e, na maioria das vezes são inespecíficos como: diarreia, febre e perda de peso.

Os sinais clínicos da FIV - Aids Felina são classificados academicamente em diferentes fases:
- Fase aguda: Febre com duração de quatro a nove semanas. Ocorre de quatro a seis semanas após a infecção. Alguns animais podem apresentar anemia, diarreia e enfermidades mieloproliferativas ou até mesmo não apresentar sinais clínicos;
- Fase de portador assintomático: Passando a fase aguda, a evolução do vírus para uma segunda fase pode ocorrer após meses ou anos. Ocorre uma diminuição dos neutrófilos e linfócitos;
- Fase persistente linfadenopatia generalizada: Esse estágio pode durar meses ou anos. Nele, os animais, mesmo possuindo linfadenopatia, apresentam sinais sutis da doença, como febre, perda de peso, comportamento alterado e falta de apetite;
- Fase do complexo relacionado à AIDS (CRA): Nessa fase, há a manifestação de doenças crônicas (dermatológicas, entéricas ou respiratórias), gengivites, estomatites e periodontites. Em um grau menor, ocorrem também sinais de infecção no trato respiratório, perda de peso, diarreia, otite externa, febre, alterações nas células sanguíneas, neoplasias, doenças neurológicas e algumas doenças de caráter ocular (uveíte e glaucoma);
- Fase síndrome da imunodeficiência adquirida (terminal): Após o quarto estágio, na maior parte dos casos, os animais evoluem progressivamente, desenvolvendo uma síndrome semelhante à AIDS. Nesse caso, os animais podem desenvolver linfoma, insuficiência renal ou criptococose.

Apesar de estarem divididos em fases, muitos dos sinais clínicos podem ocorrer juntos. É importante lembrar que o diagnóstico é sempre importante, seja seu animal de risco ou não, pois um animal positivo para FIV poderá ter doenças pioradas pelo seu estado imunológico. 

Diagnóstico da FIV - Aids Felina:
O diagnóstico é feito com exames clínicos e laboratoriais.

Embora lembre a Aids humana, a FIV atinge apenas felinos, não havendo risco de contágio às pessoas, pois, assim como o vírus HIV, trata-se de uma doença espécie-específica, portanto  somente os animais pertencentes à família Felidae (gato doméstico, leão, onça pintada, tigre, entre outros) que podem se infectar pelo FIV.

O diagnóstico dessa doença pode ser feito por meio de exames clínicos e laboratoriais. Os testes laboratoriais são os mais eficazes e seguros. No Brasil, os mais utilizados são os chamados "Snap Teste" e o PCR.

Apesar do avanço desses exames, podem ocorrer resultados falsos. O resultado falso negativo pode ocorrer em animais na fase inicial e final, enquanto o resultado falso positivo é possível ocorrer em filhotes com até seis meses de vida, devido aos anticorpos maternos ainda presentes em seu organismo.
Cabe ao médico veterinário interpretar os resultados e unir aos sinais clínicos e outros exames realizados, como hematológicos.

Tratamento da FIV - Aids Felina:
Não existe cura, somente um tratamento que vise prolongar a vida do felino.

Ao se falar em tratamento, não há muito que fazer quando a doença é pelo FIV, pois ela não possui cura e nem tratamento específico. Os animais infectados pelo vírus são imunodeprimidos, ou seja, possuem um sistema imunológico deficiente e acabam desenvolvendo doenças "oportunistas".
Essas infecções, na maioria dos casos, são as únicas combatíveis por meio de um tratamento sintomático, porém, geralmente, animais portadores do FIV não respondem bem a tais tratamentos.

Por ser um retrovírus, possui uma alta taxa de recombinação, o que implica em dificuldade de tratamento e produção de vacina eficaz. 
É importante que o dono do animal consulte um médico veterinário de confiança e mantenha o hábito de levar o gato para consultar, no mínimo, duas vezes ao ano a fim de realizar exames de prevenção.
Por se tratar de uma doença "discreta" e sem cura, a FIV - Aids Felina representa uma ameaça não somente para o animal portador, como para aqueles felinos que convivem no mesmo meio.
É de grande responsabilidade dos donos desses felinos manterem o animal, infectado ou não, dentro de sua casa e, de preferência, que optem pela castração, evitando o contato com outros animais e, assim, impedindo que o seu animal seja infectado ou, caso já esteja com a doença, transmita para animais daquela região.
Diferente do que muitos pensam, a castração e o isolamento do animal de estimação devem fazer parte do ciclo de vida do animal doméstico e são as maneiras mais seguras de criá-lo e evitar expô-lo aos perigos externos, pois, se há interferência na vida natural do animal, essa intervenção já ocorre a partir do momento que você o leva para sua casa.

Mantenha seu animal seguro em casa, castrado, vacinado e leve sempre ao veterinário para consultas de rotina. O melhor tratamento é a prevenção!

- E lembre-se: Qualquer dúvida em relação a saúde do seu animal de estimação, consulte um veterinário.
→ Fonte/Créditos: AgendaPet.

2 comentários:

  1. Gislaine, a FIV não transmite por potes bde ração e água, essa informação está errada e pode assustar quem tem um fivinho. Eu tenho um gato positivo pra Fiv e estudei bastante sobre a doença, o gato pode viver anos e mais anos sem sintoma nenhum :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana, no texto diz que pode haver contágio, não que seja uma regra.
      Por exemplo, caso haja um sangramento na vasilha de comida, se outro animal tiver contato com o sangue do animal infectado, pode haver o contágio. No texto não está escrito que vai haver o contágio, mas sim que pode acontecer. Você pode ver que na frase está escrito "há a possibilidade".
      Se não forem tomados os devidos cuidados de higiene das vasilhas e potes, o risco de contágio existe, pode ser remoto, mas existe.
      Todo cuidado é pouco em relação à saúde de nossos animaizinhos, então é importante informar sempre que um risco existe, mesmo que seja mínimo.

      Excluir